O sistema joga alguns estímulos no suspeito (somos todos suspeitos) e mede algumas reações como aumento de pressão arterial ou frequência cardíaca. Então seleciona quem excluir, entrevistar ou barrar. Ou deixar passar.

No passado, tentou-se combater o crime por antecipação medindo crânios e estabelecendo padrões do que seria a “cara do criminoso” (ver as teorias de fundo racista de Lombroso). Tecnologizada, a busca voltou. Antecipar, antecipar, antecipar; para lucrar, para prevenir, para prever, para evitar.

http://www.israelisonit.com/inventions#/how-to-read-a-terrorists-face/

 

Dois pontos:

  1. Antes, quase todos nós podíamos – ainda que não tivéssemos – ter servidores próprios. Pequenos ou grandes, remotos ou de fundo de quintal, eles eram os espaços onde tudo estava e, para se chegar lá, haviam os mecanismos de busca.  Essa era acabou, os repositórios de conteúdo estão, cada vez mais, nas mãos de um punhado de empresas que se contam nos dedos de uma mão.
  2. O jornalismo (bom ou ruim, velho ou novo) é o filé das buscas por conteúdo.

On Thursday, the Wall Street Journal reported something that, in hindsight, was completely inevitable: Google is rolling out a feature that allows media companies to publish material directly on its platform. From the Journal report: Google is experimenting with a new feature that allows marketers, media companies, politicians and other organizations [to] publish content directly…

via Google’s new media apocalypse: How the search giant wants to accelerate the end of the age of websites — Salon.com

IBM is betting big on blockchain — Quartz

Large businesses (especially those in financial services) have been trying to figure out how they can tap into the blockchain, the technology underpinning the bitcoin cryptocurrency. They’re intrigued by the possibilities of a transparent and cheap ledger system capable of creating an immutable record of transactions and monitoring sensitive data, like health records. But keeping…

via IBM is betting big on blockchain — Quartz

Unfriendly Terrain — Blogs – Jacobin

Holanda: a esquerda moderada adere ao neoliberalismo e abre flanco para a direita capitalizar em cima da raiva contra a destruição do Estado de bem estar. Só que impõe sua narrativa de que a queda se deve aos imigrantes e não ao neoliberalismo. No pacote, traz uma mobilização racista do “nós” (holandeses) contra “eles” (estrangeiros). E o perfil da nova direita é bem semelhante ao da que ascende no Brasil: pretensos intelectuais conservadores, pseudo humor incorreto e habilidosos na autopromoção.

 The Netherlands has been a loyal supporter of the European Union. The small country’s economy consists primarily of financial services and trade — sectors at the core of the…

via Unfriendly Terrain — Blogs – Jacobin